As turmas também assistirão, ao longo de novembro, a palestras sobre os livros pedidos pela FUVEST

Com a aproximação do Enem e dos principais vestibulares do País, a Coordenação de Língua Portuguesa do Colégio São Luís intensificou a preparação dos estudantes da 3ª série do Ensino Médio diurno para as provas.

Neste mês as turmas participaram de um simulado de redação do Enem conduzido por professores da Ethos, empresa responsável por corrigir textos dos alunos do CSL, do próprio Enem e dos vestibulares da Fuvest e da PUC.

Os membros da banca corretora explicaram aos alunos os critérios que compõem a nota da redação do Enem e os erros que devem ser evitados. Em seguida, em uma oficina baseada em redações nota mil de edições anteriores do Exame, os estudantes puderam se familiarizar com a estrutura de texto mais adequada à prova. Como exercício prático, tiveram pouco mais de uma hora para escrever uma redação, simulando também o tempo ideal para a realização dessa etapa fundamental do Enem. Os textos foram corrigidos pelos professores da Ethos.

Rudney de Souza, Coordenador de Língua Portuguesa, conta que o novo processo de produção de texto adotado pelo Colégio, em que uma banca externa avalia as redações, é uma maneira de preparar os estudantes para as situações que irão vivenciar durante os vestibulares.

“Assim como nos exames oficiais, o aluno recebe uma folha de proposta de redação. Ele escreve a versão inicial, que volta uma semana depois corrigida e comentada pela banca. Dessa forma, ele tem subsídios suficientes para produzir a versão final e tem uma ideia de como está seu nível de produção de texto”.

Outra atividade realizada com o objetivo de complementar os estudos pré-vestibular dos alunos foi a série de palestras sobre os livros pedidos por Fuvest, Unicamp e FGV. “Identificamos que, apesar do contato com as obras, os estudantes ainda estavam um pouco inseguros em relação ao conteúdo apreendido. Por isso, convidamos o professor José Eduardo Leão, Mestre em Literatura pela USP, para dissecar as obras”, conta Rudney.

Nos cinco encontros, realizados no contraturno entre outubro e novembro, as obras são analisadas em duplas: Iracema e Memórias Póstumas de Brás Cubas; A Relíquia e O Cortiço; Minha Vida de Menina e Vidas Secas; Poemas negros e Mayombe; e Claro Enigma e Soneto de Camões

O Coordenador de Língua Portuguesa explica que a dinâmica foi escolhida para estabelecer um diálogo entre as obras e permitir a compreensão do momento histórico e social em que foram escritas e a ligação das personagens com seu contexto de criação: “Hoje vemos o pensamento literário em sua amplitude e complexidade, nas relações que as obras têm entre si. Por isso, optamos por uma abordagem mais dialógica, voltada à reflexão”.