A colheita foi o tema do Arraiá do CSL 217 que destacou o trabalho de semear para obter o fruto esperado

Vestidos de chita rodando pelo ginásio. Caipirinhas brincando nas barracas de pescaria, argola, canaleta, entre outras. Gincanas como dança da cadeira e corrida do saco na quadra central. Duas praças de alimentação com variedades mil. Formandos cuidando de barracas, fazendo serenatas e distribuindo correios elegantes. Padre Geraldo cantando forrós, sertanejos e músicas da roça, com letras que falam de um jeito simples e tocam o coração.

Por onde quer que se andasse no Arraiá do CSL, via-se uma festa bem cuidada, organizada com amor e recebida da mesma forma pelos alunos e familiares – com as bênçãos dos santos juninos, num belo dia de sol para aquele sábado, dia 10 de junho.

O cuidado foi o valor escolhido para ancorar o tema da festa: a colheita. Afinal, para colher é preciso semear, regar e esperar amadurecer. Somente através do cuidado é que somos capazes de ver crescer no mundo os valores que tanto buscamos na educação jesuíta.
Confira fotos e destaques da festa junina!

DANÇAS
Além das tradicionais quadrilhas, apresentadas pelo 5º ano e pelas 3ªs séries do Ensino Médio, Diurno e Noturno, as danças das demais séries tiveram temas ligados a tradições do homem do campo: Dança do Siriri (Infantil 2 e 3), Dança da Cana Verde (Infantil 4), Dança do Espantalho (Infantil 5), Carimbó (1.º ano), Cantiga de Peneira (2.º ano), Dança com Arcos (3º ano) e Dança Circular (4º ano).

Confira  a proposta de cada uma das danças apresentadas na festa junina 

 

EXPOSIÇÃO DE ARTES
Na entrada da festa, uma exposição de arte dos alunos do Infantil e Fundamental I também retratava de diversas formas o tema da colheita. Pinturas feitas com café, maquetes de um milharal e bonecos caipiras que lembravam os artesanatos em cabaça são alguns exemplos. Cada arte apresentada, vale dizer, tinha lastro no estudo de diversas técnicas e materiais que foram utilizados para explorar as possibilidades dos conteúdos culturais do ciclo junino.

 

SOLIDARIEDADE
Muitas eram as formas de ajudar no Arraiá do CSL. Uma barraca na galeria arrecadava roupas, brinquedos, notas fiscais sem o CPF, lacres de latinhas de bebidas e alimentos não perecíveis para as instituições Arsenal da Esperança, Creche do Fé e Alegria, Creche da Paróquia São Luís, Cruz Verde e Hospital das Clínicas – Instituto de Ortopedia. Outras de lanches revertiam parte da renda para doação e valiam cupons para sorteios de prêmios. Para levantar verba para a formatura, as barracas da 3ª série EM vendiam doces (turmas do diurno) e cachorro-quente (do noturno). Também cantavam serenatas e distribuíam correios-elegantes.

 

BRINCADEIRAS
Barracas de brincadeiras tradicionais, valendo prendas, fizeram a alegria das crianças como a pescaria, argola, rabo no burro, frango na panela. Divertido demais! Nas quadras abertas, os professores de Educação Física promoveram gincanas com brincadeiras tradicionais como cabo de guerra, corrida do saco e dança da cadeira e muito mais. A APM também organizou o Espaço kids, com atividades recreativas para as crianças. Para as famílias, dois painéis interativos para fazer fotos: um de uma família caipira e outro de um livro gigante, semelhante à obra comemorativa “Colégio São Luís – 150 anos de renovação” que todas as famílias de alunos receberam.

 

CORTEJOS DO PADRE GERALDO
Para começar as danças do 4º ano da tarde e da manhã, Padre Geraldo cantou com os alunos músicas e orações que traziam o contexto de espiritualidade e devoção aos santos juninos: São João, São Pedro, Santo Antônio e São Luís Gonzaga. Também apresentou, com a equipe da Humanística, na praça de alimentação do Pilotis canções sertanejas e forrós.

 

COMILANÇA
Este ano, o Arraiá do CSL contou com duas praças de alimentação: nas quadras ficaram espetinhos, pastel e outras guloseimas e no Salão Santo Inácio estavam os food trucks e opções variadas como hambúrguer, batata-frita e comida japonesa.