Notícias

CSL dá Início ao Ciclo de Formação Continuada

Racismo e antirracismo: implicações para a educação no Brasil foi o tema do primeiro ciclo

No dia 18 de agosto, o Colégio São Luís deu início ao Ciclo de Formação Continuada, série de encontros dedicados a toda comunidade educativa (colaboradores docentes e não docentes, pais, mães, responsáveis e alunos), que abordará diferentes temas que perpassam o projeto pedagógico do CSL e a vida da sociedade contemporânea. Neste semestre, são três temas geradores das palestras: racismo e antirracismo; cuidado e proteção; e redes sociais e internet [veja a programação ao final do texto].

A palestra “Racismo e antirracismo: implicações para a educação no Brasil”, com a Prof.ª Dra. Lilia Moritz Schwarcz, do Departamento de Antropologia Social (USP), realizada virtualmente, foi a primeira da programação e abordou as narrativas históricas a respeito da população negra, que sustentam o racismo estrutural e institucional no Brasil, e a importância de cultivar atitudes antirracistas nos tempos atuais.

“O Colégio São Luís tem uma tradição educativa comprometida em responder aos desafios de cada época e, por isso, não pode se eximir diante da emergência da questão racial […]”
Pe. Edison de Lima, SJ

O Pe. Edison de Lima, SJ, diretor-geral do Colégio São Luís, deu as boas-vindas a todos que acompanhavam o encontro on-line e ressaltou que a iniciativa está relacionada ao currículo do CSL. “Considerando o nosso projeto pedagógico, se faz necessário uma formação que contemple a educação integral para a participação cidadã, condição também para uma formação que ajude a todos nós compreender as realidades sociais e o modo de agirmos no espaço social”, afirmou o jesuíta.

“O Colégio São Luís tem uma tradição educativa comprometida em responder aos desafios de cada época e, por isso, não pode se eximir diante da emergência da questão racial e da exiguidade de medidas reparadoras em nossa sociedade, não somos e não seremos indiferentes aos sinais dos tempos”, ressaltou Pe. Edison.

A comunidade educativa acompanhou a palestra on-line, via Teams, e os estudantes e os docentes do Ensino Médio Noturno tiveram a oportunidade de acompanhar a palestra durante o período de aulas, no auditório do Colégio São Luís.

NARRATIVAS HISTÓRICAS E ANTIRRACISMO

Na palestra, a Prof.ª Dra. Lilia Moritz Schwarcz falou sobre as narrativas históricas ou batalhas narrativas construídas a respeito da população negra e como elas fundamentam posicionamentos pessoais e sociais. A especialista apresentou pinturas de Jean-Baptiste Debret que retratam o período da escravidão e ressaltou que muitos elementos das imagens acabaram construindo a “linguagem do silêncio”. “A narrativa que se fazia no Brasil era a de uma boa escravidão, e não existe boa escravidão”, afirmou.

Outro ponto abordado foi a rota do tráfico de escravos e como esse processo foi violento e retirou milhões de indivíduos de seus locais de origem. Segundo a Prof.ª Dra. Lilia, mais de 14 milhões de pessoas percorreram esse caminho – destas, apenas 12 milhões chegaram com vida em seus destinos, sendo 10 milhões delas só no continente americano e 4,8 milhões no Brasil, o último a abolir a escravidão mercantil, em 13 de maio de 1888.

A construção das narrativas desse período moldou a sociedade brasileira e reverbera nas relações étnico raciais até os dias de hoje. “A escravidão do passado e o racismo estrutural do presente são traumas da nossa sociedade. E como nós lidamos com traumas? Falando sobre eles”, ressaltou a professora. “No Brasil, nós praticamos um racismo que é estrutural, porque ele estrutura a nossa linguagem, e um racismo institucional, porque ele está presente em todas as instituições que nós frequentamos”, reforçou.

“Nesse mundo em que nós vivemos, não basta mais a gente dizer que nós não somos racistas, nós temos que ser antirracistas”
Profa. Dra. Lilia Moritz Schwarcz

A professora afirmou que um dos caminhos para transformar essa realidade é assumir uma postura antirracista. “O que fazer diante de tudo isso? Ter uma atitude antirracista, como o Colégio São Luís tem empreendido, como esse Coletivo Antirracista de Pais, Mães e Responsáveis do Colégio São Luís tem realizado e que me enchem de orgulho. Nesse mundo em que nós vivemos, não basta mais a gente dizer que nós não somos racistas, nós temos que ser antirracistas. Como? Com as nossas ações, o que fazemos em uma escola? Nós vamos desnudar as desigualdades, desnudar a diferença, desnudar os padrões de cor praticados no Brasil”, disse.

Como professora, Lilia destacou o papel importante que a educação tem na formação de crianças e jovens. “O papel das escolas privadas é o da inclusão, no corpo docente e discente. É necessário ter um currículo que inclua e que faça com que as histórias das populações preta, indígena, quilombola cheguem para as pessoas, com outros heróis. Vamos criar outros heróis, escolher outras pessoas, pois as leituras de mundo precisam ser maiores”, afirmou.

A professora é uma das organizadoras da Enciclopédia negra (Companhia das Letras, 2021), que reúne biografias de mais de 550 personalidades negras, em 416 verbetes individuais e coletivos. A publicação está disponível na biblioteca do Colégio São Luís para todos os estudantes e colaboradores.

Ao final do encontro, Georgina Moraes, integrante do Coletivo Antirracista de Pais, Mães e Responsáveis do Colégio São Luís, que apoiou e colaborou com a realização do encontro, fez um convite para que a comunidade educativa participe da iniciativa, que promoverá mais atividades e ações sobre o tema.

Veja e reveja na íntegra a palestra com a Prof.ª Dra. Lilia:

PROGRAMAÇÃO DO CICLO DE FORMAÇÃO CONTINUADA

18/08, às 19h | Racismo e antirracismo: implicações para a educação no Brasil
Prof.ª Dra. Lilia Moritz Schwarcz
Doutora e livre docente em Antropologia Social, pela Universidade de São Paulo. Professora Titular do Departamento em Antropologia Social (USP) e Global Scholar e Professora visitante em Princeton (Estados Unidos).

26/08, às 19h | Crianças e adolescentes na internet – como proteger contra riscos e perigos on-line
Kelli Angelini
Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e advogada com experiência na área de Direito Digital. Gerente do jurídico do NIC.br e do CGI.br e autora dos Guias Internet com Responsa – cuidados e responsabilidades no uso da Internet para pais, educadores e adolescentes.

15/09, às 19h | A dimensão socioemocional e o cuidado de crianças e adolescentes
Dra. Liciana Cabral Caneschi
Doutora em Psicossociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e especialista em adolescência e juventude. Atua no campo da Psicologia Escolar e atendimento clínico de adolescentes.

27/10, às 19h| Direitos e prevenção de abuso: o que eu preciso saber para proteger a infância e a adolescência?
Dr. Eduardo Dias de Souza Ferreira
Doutor em Direito pela PUC/SP e docente na mesma universidade, na área de Direitos Humanos com ênfase em Infância e Juventude. É Procurador de Justiça na área de direitos da família e atuou como promotor de justiça na área da Infância e Juventude da Capital.

3/11, às 19h| Racismo e reeducação das relações étnico-raciais no Brasil
Prof. Dr. Matheus Gato de Jesus
Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP) e professor do Departamento de Sociologia da Unicamp. Realizou estágio pós-doutoral em Harvard University. Autor de O massacre dos libertos: Sobre raça e República no Brasil (1888-1889).