Fórum de Profissões busca auxiliar estudantes na escolha de carreiras a partir de palestras e conversas com profissionais com visão atualizada do mercado.

Quem será o engenheiro do futuro? Quais as tecnologias que prometem revolucionar a maneira como vivemos e trabalhamos? Big Data, Indústria 4.0, Internet das Coisas, impressora 3-D, impressora 4-D e Realidade Aumentada: o que se espera do profissional formado hoje para acompanhar as inovações?

Com perguntas como essas, o professor titular de Engenharia de Produção do Centro Universitário FEI, Dr. Alexandre Augusto Massote, levou a reflexão sobre a escolha da carreira a um nível de esclarecimento bem maior – para que a decisão de qual vestibular prestar seja sustentável no longo prazo.

Sua palestra abriu o Fórum de Profissões 2017, no dia dedicado à área de Exatas e Tecnologia, e reuniu alunos dos colégios São Luís e São Francisco Xavier, do Ensino Médio e do 9º ano Fundamental. O Fórum terá três dias de conversas, com a participação de cerca de 100 profissionais, representando diversas áreas de atuação (confira as próximas datas aqui).

Oportunidades como essas devem contribuir para a redução das chances de nossos alunos engrossarem as estatísticas do segmento universitário, segundo o qual, todos os anos, cerca de 129.000 estudantes se matriculam num curso de engenharia, mas apenas 32.000 chegam até o fim dos estudos.

Também ajudam a mostrar, de uma forma mais geral, quais são as competências exigidas no mundo do trabalho, tendo em vista a rápida evolução do conhecimento. “Facilidade de comunicação, espírito de equipe, liderança e capacidade de resolver problemas estão entre as principais características para um engenheiro”, disse Massote.

Num segundo momento do Fórum, um grupo de professores com um representante de cada faculdade do Centro Universitário FEI, instituição mantida por jesuítas, partilhou com os alunos suas experiências e também esclareceu as dúvidas sobre os diferentes cursos e as perspectivas de carreira.